Graças ao valor de pressão constante gerado no interior do dipositivo não há necessidade de submeter a suspensão de plasma e eritrócitos a um processo de centrifugação moroso, dispendioso e que só pode ser executado em sede de laboratório com recurso a centrífugas específicas, o que caracteriza o procedimento atualmente praticado. O EBC elimina o passo da centrifugação no processo laboratorial, apresentando como principal vantagem a drástica redução de tempo e custos na obtenção dos resultados de compatibilidade.

Com elevado potencial de utilização, o EBC constitui uma solução versátil que poderá ser adaptado às necessidades das várias realidades em que atua. Para países com recursos económicos escassos ou em cenários de crise (catástrofes naturais, guerra, terrorismo e/ou epidemias), o dispositivo contribuirá para aumentar a segurança transfusional através da realização de provas de compatibilidade, sem incrementar a necessidade de equipamentos específicos dispendiosos ou de recursos humanos especializados. Em países ditos desenvolvidos a estratégia passa por tornar o processo transfusional mais célere, pela simplificação do processo, e mais económico, relativamente ao procedimento convencional, dado evitar a necessidade de utilização de equipamentos laboratoriais específicos e recursos humanos especializados.

“O Easy Blood Crossmatch torna-se diferenciador na medida em que, por ser mais rápido, fácil de usar e de interpretar os resultados, é fulcral para um paciente que necessite de uma transfusão sanguínea. Trata-se de um kit médico destinado às provas de compatibilidade de sangue, totalmente novo no mercado, que não necessita de laboratório. Assim, a mais-valia do EBC é, inquestionavelmente, a redução drástica do tempo necessário para realizar a PC, o que contribuirá determinantemente para o incremento significativo do número de vidas que serão salvas”, explica Cândida Malça, uma das coordenadoras do projeto.

Desenvolvido por uma equipa multidisciplinar da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra e do Centro para o Desenvolvimento Rápido e Sustentado do Produto, Instituto Politécnico de Leiria, em colaboração com a Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, o EBC foi um dos 15 trabalhos de investigação contemplados com uma Bolsas de Ignição financiados pelo INOV C 2020, um projeto suportado por fundos do FEDER que pretende alavancar ideias de empreendedorismo e inovação na região centro.

 

INOV C 2020 apoia projetos inovadores em Portugal

Do consórcio INOV C 2020, liderado pela Universidade de Coimbra, fazem parte dez parceiros nucleares: o Instituto Politécnico de Coimbra, o Instituto Politécnico de Leiria, o Instituto Politécnico de Tomar, o Instituto Pedro Nunes, o ITeCons, o SerQ, a ABAP, a Obitec e o TagusValley.

O INOV C 2020 é um projeto estratégico cofinanciado pelo Centro 2020, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), com um prazo de execução compreendido entre 18 de abril de 2017 e 17 de outubro de 2019. Os parceiros executarão um investimento total de 1.627.614€, sendo o montante de 1.383.472€ financiado pelo FEDER.

O objetivo do projeto INOV C 2020 é consolidar a Região Centro enquanto referência nacional na criação de produtos e serviços resultantes de atividades de Investigação & Desenvolvimento. A consolidação do Ecossistema de Inovação, através da incorporação de uma oferta ampla de recursos, infraestruturas e respostas a desafios específicos, faz também parte da sua missão. O INOV C 2020 segue-se ao Programa Estratégico INOV C, executado entre 2010 e 2015.